Por Thiago Ribeiro

No post anterior, tratamos das dificuldades de sustentabilidade das ONGs cuja receita está baseada no financiamento público e mencionamos a possiblidade da captação por fontes privadas. Nesse sentido, tratamos brevemente das implicações disso nas estratégias de comunicação das organizações e, em seguida, orientamos as ONGs a verificarem as possibilidades do Crowdfunding como alternativa para o financiamento de projetos e traçamos um breve perfil das organizações indicadas para essa modalidade de financiamento.

O objetivo desse post e dos próximos será o de traçar um perfil mais aprofundado das organizações com maior probabilidade de sucesso na captação por meio do Crowdfunding e iniciar uma discussão sobre um conjunto de variáveis que podem indicar qual será o desempenho das organizações nesse processo.

Não há ainda um acumulo estatístico que possa corroborar as análises, de modo que se trata mais da formulação de hipóteses, que da defesa de uma tese. De qualquer maneira, pode vir a ser um ponto de partida para uma discussão, e assim o desejamos.

Iniciaremos nossa análise pensando em grandes eixos que tratem de pontos relevantes a serem considerados pela ONG antes da decisão de reorientar a captação de recursos para o financiamento privado.

Vamos tentar listar os principais eixos – e suas respectivas categorias – nos quais será importante que a organização se debruce antes de decidir pela captação privada.

Para facilitar a compreensão pensaremos em 4Ps a serem considerados na análise:

1) PROPONENTE;

2) PROJETO;

3) PODER; e

4) PLANO.

A combinação desses pontos determinará o sucesso, ou fracasso da captação pelo Crowdfunding.

 

1) PROPONENTE as variáveis chave aqui são CREDIBILIDADE e IMAGEM INSTITUCIONAL

Análise Instituição/Proponente

Histórico da ONG – Qual o tempo de existência? Quais projetos já foram executados? Possuí experiência acumulada?

Causa que defende/missão institucional – Qual a relação dessa causa com a sociedade em termos de sensibilidade e afinidade das pessoas? Sensibiliza a maioria das pessoas? Sofre preconceitos? Qual é sua taxa de rejeição?

Abrangência territorial – O proponente atua em território internacional, nacional, regional, estadual ou local?

Equipe – Quem são? Qual a sua formação? Quais são as suas experiências? Quais são suas competências?

Síntese – Quais são os pontos fortes da organização? Quais os pontos fracos?

 

Análise da Comunicação/Imagem

Relações Públicas – Possuí um plano estratégico de comunicação institucional? Coloca em prática?

Assessoria de Imprensa – Recebe apoio de assessoria de imprensa profissional para divulgar seu trabalho?

Agência de publicidade – Tem uma agência que cuida do material de comunicação da instituição?

Presença digital – Possuí Website, Blog, Fan Page, Orkut, Linkedin, Facebook, Youtube, Twitter? Faz a gestão dessas redes? Gera informações e conteúdo para alimentar esses canais?

Síntese – Quais os pontos fortes da comunicação? Quais os pontos fracos?

 

2) PROJETO – as variáveis chave aqui são APELO e CLAREZA NA EXECUÇÃO

Qual o objetivo do projeto?

Qual o tempo de execução do projeto?

Qual o custo do projeto?

Qual o resultado esperado ao final do projeto? Qual sua efetividade social?

Quais os riscos envolvidos em sua execução? Ele pode não acontecer mesmo com o financiamento?

Qual será o roteiro do vídeo para divulgar o projeto? Qual será sua mensagem? Quem irá gravar?

O projeto gerará como resultado algum “produto tangível” (livro, DVD, show, etc)?

Quais serão as contrapartidas do projeto? Serão viáveis e, ao mesmo tempo, atraentes para os apoiadores? Quais seus custos? (produção, envio, etc.) Eles já estão contemplados nos custos do projeto?

Quais os pontos fortes do projeto? Quais seus pontos fracos?

 

3) PODER de Captação – as variáveis chave aqui são REDES SOCIAIS e APOIADORES TRADICIONAIS

Análise das Redes Sociais

Em suas redes sociais há quantas pessoas? Quantos curtem sua Fan Page? Quantos seguem seu Twitter? Quantos hits tem seu YouTube? Quantos leitores visitam seu Blog?

Qual o perfil socioeconômico dessas pessoas?

Elas são engajadas?

Em sua opinião, qual o percentual de pessoas que ajudaria a divulgar o projeto?

Qual o percentual da sua rede que apoiaria financeiramente o projeto?

Qual seria o valor médio que estariam dispostas a desembolsar?

Existem pessoas com as quais você pode contar para desembolsos acima da média? Quem são? Qual o valor que estariam dispostas?

 

Análise da capacidade atual de financiamento (apoiadores tradicionais)

Quem já apoia a instituição?

Há empresas que costumam financiar as atividades?

O cadastro de apoiadores está organizado?

Eles também fazem parte das Redes Sociais Digitais?

Existem canais abertos e eficientes para comunicação junto aos apoiadores?

É possível mobilizá-los para apoiar esse projeto?

Em sua opinião, eles ajudariam a financiar esse projeto? Faz sentido para a instituição eventualmente reorientar a capacidade de financiamento deles para esse projeto?

 

4) PLANO de Campanha – as variáveis chave aqui são PLANEJAMENTO e CAPACIDADE DE EXECUÇÃO

Planejamento

Quem fará o planejamento da campanha?

Qual a experiência acumulada para planejar essa campanha?

Quem poderia contribuir para pensar a campanha?

Quem faria parte da coordenação de campanha?

Quais serão as metas da campanha? Quais os prazos para atingi-las?

Qual o prazo máximo em caso de necessidade de reorientação da campanha?

Qual será o papel dos apoiadores tradicionais na campanha? É possível contar com eles para ajudar a divulgar a campanha junto as suas redes pessoais?

Os colaboradores da instituição (equipe fixa e equipe de projetos) ajudarão e se engajarão para o sucesso da campanha? Como essa convocação será feita? Quando?

 

Execução

Quem cuidará da execução do que foi planejado?

Quem fará o monitoramento do andamento da campanha?

Nesse post vamos apenas montar o esqueleto para análise, de modo que nos próximos abriremos cada um dos eixos para melhor entendê-los. Ao final, faremos uma sugestão de metodologia e produziremos um questionário que ficará disponível para ser respondido no site, com o objetivo de auxiliar as organizações na análise de viabilidade dos projetos submetidos e também, nossa equipe na orientação dos proponentes.

 

Comentários

  1. vamos fechar uma parceria? podemos organizar encontros prá falar destes assuntos e trabalhar estes temas de forma colaborativa.

    1. Prezado, Josué.

      Temos interesse em estabelecer parcerias que agreguem valor, ampliem o alcance de nossas ações e ajudem na disseminação de informações relevantes às pessoas e organizações.
      Está previsto no escopo de nosso trabalho e em nossa estratégia de médio prazo o oferecimento de cursos, palestras e oficinas para interessados nos temas de planejamento e gestão do terceiro setor, captação de recursos, elaboração de projetos e temas relativos ao crowdfunding (oficinas de vídeo, gestão de redes sociais, etc.)
      Ainda estamos amadurecendo o contato com nosso público através do Blog e construindo o substrato para o oferecimento de conteúdos relevantes e que possam fazer alguma diferença.
      Interessa-nos iniciar uma conversa para buscar identificar sinergias e potencialidades nessa parceria.

      Nos falamos!

      Abraços,

      Thiago Ribeiro.

  2. [...] primeiro post da série desenhamos um esqueleto analítico baseado em 4 variáveis que juntas poderiam, em nossa [...]

  3. [...] oficina buscará abordar de forma prática e aplicada a metodologia que desenvolvemos sobre os 4 Pilares do Crowdfunding e contribuir para o aumento de chances de sucesso de um projeto em busca de financiamento pelo [...]

  4. [...] importante não se esquecer da importância de uma boa avaliação dos 3 primeiros pilares do Crowdfunding – Proponente, Projeto e Poder, para, em seguida formular um bom plano de campanha para garantir o [...]

  5. [...] No primeiro post da série desenhamos um esqueleto analítico baseado em 4 variáveis que juntas poderiam, em nossa avaliação, determinar o sucesso ou o insucesso de uma campanha de Crowdfunding levada a cabo por uma organização. São elas: 1) PROPONENTE; 2) PROJETO; 3) PODER; e 4) PLANO – Os 4Ps do CROWDFUNDING. [...]

  6. [...] ideia central é que, a partir da aplicação dos 4 Pilares do Crowdfunding Social (Proponente, Projeto, Poder e Plano), construa-se uma estratégia de captação de longo prazo que [...]

  7. [...] No primeiro post da série desenhamos um esqueleto analítico baseado em 4 variáveis que juntas poderiam, em nossa avaliação, determinar o sucesso ou o insucesso de uma campanha de Crowdfunding levada a cabo por uma organização. São elas: 1) PROPONENTE; 2) PROJETO; 3) PODER; e 4) PLANO – Os 4Ps do CROWDFUNDING. [...]

  8. [...] tarefa de dissecar o Programa podemos perceber a presença de elementos comuns em todos os processos de financiamento colaborativo, quais [...]

  9. [...] crowdfunding se funda em 4 pilares que articulados podem determinar o resultado de uma captação: o proponente, o projeto, o poder de [...]

  10. [...] importante não se esquecer da importância de uma boa avaliação dos 3 primeiros pilares do Crowdfunding – Proponente, Projeto e Poder, para, em seguida formular um bom plano de campanha para [...]

  11. [...] posts anteriores dessa série desenvolvemos análises sobre os 4Ps do Crowdfunding – os 3 Pilares (Proponente, Projeto, Poder) e o Plano de [...]

  12. [...] 4 Ps do Crowdfunding – Introdução aos 3 pilares (Proponente, Projeto e Poder) e abordagem preliminar do Plano de [...]

  13. [...] essas primeiras ideias em mente, parte-se para a análise dos 4Ps do Crowdfunding (3 Pilares do Crowdfunding – Proponente, Projeto e Poder), buscando entender pontos fortes e [...]

  14. [...] um vídeo para divulgar o Projeto no Crowdfunding é uma tarefa de extrema importância, pois um bom vídeo muda significativamente as chances de o [...]